Vulnerabilidade Social de Mulheres como Chefes de Família em Afogados da Ingazeira – PE

Entrevista com Madalena Leite por Maria Letícia Aragão

Em entrevista cedida à equipe de comunicação do Agrega, Madalena Leite, secretária da Secretaria de Assistência Social do município de Afogados da Ingazeira – PE, nos explica como o município tem agido diante das dificuldades impostas pela crise no contexto da pandemia do covid-19.

Para o questionamento feito a respeito da atuação do município frente às políticas públicas de enfrentamento à pobreza e às ações assistenciais voltadas para as famílias em situação de vulnerabilidade social, bem como as principais ações realizadas pela Secretaria nesse sentido, a secretária nos responde que:

“O município de Afogados da Ingazeira tem buscado selar parcerias, trabalhando as políticas públicas de enfrentamento à pobreza de forma integrada e intersetorial. Criamos o Projeto de Segurança Alimentar, direcionado às mulheres em vulnerabilidade social, acompanhadas pelo Programa Criança Feliz e o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. O nosso objetivo é não só garantir o acesso aos alimentos de qualidade, mas também buscar o empoderamento das mulheres. A Secretaria Municipal de Assistência Social tem promovido diversas palestras temáticas com as mulheres, promovido doações de cestas básicas, garantindo também o acesso a benefícios eventuais”.

            O perfil socioeconômico das famílias assistidas pelos programas sociais da Secretaria de Assistência Social do município, em linhas gerais, segundo Madalena Leite são “mulheres que, em sua grande maioria, são chefes de família inscritas no Cadúnico e no Programa Bolsa Família, com renda per capita inferior ou igual a ¼ do salário mínimo vigente”.

Deste modo, ações de iniciativas não governamentais, como o AGREGA,  têm sido importantes agentes de atuação na luta contra a situação de vulnerabilidade social enfrentada por diversas famílias no município. A esse respeito a Secretária ressalva:

“A parceria do Projeto Agrega, junto aos agricultores familiares na produção de alimentos agroecológicos, bem como a doação dos referidos alimentos, tem contribuído para minimizar a situação de insegurança alimentar das famílias que encontram-se em situação de vulnerabilidade social em nosso município. Além de impulsionar o Projeto Municipal de Segurança Alimentar”.

            A distribuição de cestas básicas composta por produtos agroecológicos realizada pelo AGREGA, graças ao financiamento da Brasilieninitiative Freiburg e.V em parceria com o Centro Cultural Brasil-Alemanha – CCBA -, iniciou-se no mês de julho e seguirá até o final deste ano, conforme previsão inicial. Com relação à expectativa das mulheres beneficiadas pela ação para os meses subsequentes, Madalena Leite conclui que:

“A expectativa das mulheres é de que possam ter garantia de acesso ao Projeto de Segurança Alimentar, com produtos agroecológicos, pelo menos  até que a pandemia acabe e elas possam voltar às suas atividades produtivas remuneradas. As mulheres reagem com muita satisfação e sentimento de valorização, demonstrando interesse em conhecer essas unidades de produção agroecológica de onde elas recebem a sua cesta básica”.

Para o questionamento feito a respeito da atuação do município frente às políticas públicas de enfrentamento à pobreza e às ações assistenciais voltadas para as famílias em situação de vulnerabilidade social, bem como as principais ações realizadas pela Secretaria nesse sentido, a secretária nos responde que:

“O município de Afogados da Ingazeira tem buscado selar parcerias, trabalhando as políticas públicas de enfrentamento à pobreza de forma integrada e intersetorial. Criamos o Projeto de Segurança Alimentar, direcionado às mulheres em vulnerabilidade social, acompanhadas pelo Programa Criança Feliz e o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. O nosso objetivo é não só garantir o acesso aos alimentos de qualidade, mas também buscar o empoderamento das mulheres. A Secretaria Municipal de Assistência Social tem promovido diversas palestras temáticas com as mulheres, promovido doações de cestas básicas, garantindo também o acesso a benefícios eventuais”.

            O perfil socioeconômico das famílias assistidas pelos programas sociais da Secretaria de Assistência Social do município, em linhas gerais, segundo Madalena Leite são “mulheres que, em sua grande maioria, são chefes de família inscritas no Cadúnico e no Programa Bolsa Família, com renda per capita inferior ou igual a ¼ do salário mínimo vigente”.

Deste modo, ações de iniciativas não governamentais, como o AGREGA,  têm sido importantes agentes de atuação na luta contra a situação de vulnerabilidade social enfrentada por diversas famílias no município. A esse respeito a Secretária ressalva:

“A parceria do Projeto Agrega, junto aos agricultores familiares na produção de alimentos agroecológicos, bem como a doação dos referidos alimentos, tem contribuído para minimizar a situação de insegurança alimentar das famílias que encontram-se em situação de vulnerabilidade social em nosso município. Além de impulsionar o Projeto Municipal de Segurança Alimentar”.

            A distribuição de cestas básicas composta por produtos agroecológicos realizada pelo AGREGA, graças ao financiamento da Brasilieninitiative Freiburg e.V em parceria com o Centro Cultural Brasil-Alemanha – CCBA -, iniciou-se no mês de julho e seguirá até o final deste ano, conforme previsão inicial. Com relação à expectativa das mulheres beneficiadas pela ação para os meses subsequentes, Madalena Leite conclui que:

Clique aqui e acesso o podcast com a entrevista completa realizada com a Madalena Leite.

Deixe uma resposta